ITINERÁRIO TERAPÊUTICO DE PESSOA JOVEM ACOMETIDA POR ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO / THERAPEUTICAL ITINERARY OF A YOUNG PERSON AFFECTED BY STROKE ITINERARIO TERAPÉUTICO DE PERSONA JOVEN ACOMETIDA POR ACCIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

Fernanda Gatez Trevisan, Victória dos Santos Laqui, Rafaely de Cassia Nogueira Sanches, Maria Aparecida Salci, Anderson da Silva Rego, Cremilde Aparecida Trindade Radovanovic

Resumo


Objetivo: conhecer, por meio do itinerário terapêutico, os comportamentos que influenciam na busca por cuidados de um adulto jovem que vivenciou o Acidente Vascular Encefálico (AVE). Métodos: estudo de caso, de abordagem qualitativa, realizado em um munícipio do interior do estado do Paraná, Brasil. A coleta de dados foi realizada entre os meses de dezembro de 2014 e fevereiro de 2015 e se deu por meio de entrevistas em profundidade. Os dados foram analisados a partir da análise de conteúdo, modalidade temática. Resultados: as categorias que emergiram do processo analítico foram: “A influência das relações familiares sobre as escolhas na trajetória de recuperação após o AVE”; “Influência do vínculo e acolhimento profissional nas escolhas de cuidados da pessoa adoecida” e “A influência da religião e da medicina alternativa nas escolhas por tratamentos e cuidados”. Conclusão: foi possível observar como um adulto jovem acometido pelo AVE compartilha comportamentos e escolhe os cuidados que deseja receber, sendo suas atitudes diretamente influenciadas pelos comportamentos dos membros familiares mais próximos.

Descritores: Assistência Integral à Saúde; Acidente Vascular Encefálico; Doença Crônica; Relações Familiares; Estudo de Casos.

Texto completo:

PDF

Referências


Maia ACMS, Silva BCO, Montenegro LC, Pimenta AM, Tavares MLO. Dificuldades no cuidado à usuários que convivem com processo crônico de saúde: relato dos cuidadores familiares. Rev Par Enferm. 2018; 1(1): 3-12.

Lotufo PA. Stroke is still a neglected disease in Brazil. Sao Paulo Med. J., São Paulo. 2015 Dez; 133(6):457-459. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1516-3180.2015.13360510

Carvalho MHR, Carvalho SMR, Laurenti R, Payão SLM. Tendência de mortalidade de idosos por doenças crônicas no município de Marília-SP, Brasil: 1998 a 2000 e 2005 a 2007. Epidemiol Serv Saúde. 2014;23(2):347-54.

Brasil. Ministério da Saúde. Redes de atenção à saúde: Redes de atenção às condições crônicas. São Luís, MA, 2015.

Sanches RCN, Figueiredo FSF, Rêgo AS, Decesaro MN, Salci MA, Radovanovic CAT. Itinerários terapêuticos de pessoas com doença renal crônica e suas famílias/ Therapeutical itineraries of people with chronic renal disease and their families. Cienc Cuid Saude 2016 Out/Dez; 15(4): 708-715. DOI:10.4025/cienccuidsaude.v15i4.34529.

Klafkea A, Vaghettia LAP, Costa AD. Efeito do vínculo com um médico de família no controle da pressão arterial em hipertensos. Rev Bras Med Fam Comunidade. Rio de Janeiro, 2017 Jan-Dez; 12(39):1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1444

Trindade TG, Batista SR. Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca! Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2016 Set; 21(9): 2667-2669. DOI: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000902667&lng=en&nrm=iso

Alves PC. Itinerários terapêuticos e os nexus de significados da doença. Revista de ciências sociais, 2015 Jan-Jun; 42:29-43.

Marivic B, Torregosa FNP, Rosemary S, Ilse P. Dealing with stroke: Perspectives from stroke survivors and stroke caregivers from an underserved Hispanic community. Nursing & health sciences. 2018 Mar; DOI https://doi.org/10.1111/nhs.12414

10. Trad LIA, Pereira APA, Baptista MN. Suporte social e aspectos ocupacionais do adulto jovem após Acidente Vascular Cerebral. Psicologia, Saud Doenças. 2017, 18(2), 474-483. DOI: http://dx.doi.org/10.15309/17psd180215

Sousa-Pereira SR, Braga CA, Garcia AC, Teixeira AL. Stroke in young adults: analysis of 44 cases. Rev Med Minas Gerais 2010; 20(4): 514-518. Disponível em: http://rmmg.org/artigo/detalhes/332

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.

Silva DC, Budó MLD, Schimith MD, Torres GV, Durgante VL, Rizzatti SJS, et al. Influência das redes sociais no itinerário terapêutico de pessoas acometidas por úlcera venosa. Rev Gaúcha Enferm. 2014 Set; 35(3):90-96. DOI:http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.03.45072

Buzarelo FM, Rodrigues TFCS, Sanches RCN, Rêgo AS, Radovanovic CAT. Aplicação do Modelo Calgary De Avaliação Familiar no contexto domiciliar pós Acidente Vascular Encefálico. Rev Par Enferm. 2018; 1(1):13-26.

Souza MSF, Kopittke L. Adesão ao tratamento com psicofármacos: fatores de proteção e motivos de não adesão ao tratamento farmacológico. Rev APS. 2016 jul-set; 19(3):361-9.

Silva DC, Budó MLD, Schimith MD, Durgante VL, Rizzatti SJS, Ressel LB. Itinerário terapêutico de pessoas com úlcera venosa em assistência ambulatorial. Texto Contexto Enferm. 2015 jul-set; 24(3):722-730. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015000320014

Barriquello CA, Correio JMS. As conformações contemporâneas para a garantia do acesso ao direito fundamental à saúde: dimensões preventiva e promocional. Cad. Ibero-Amer. Dir. Sanit. 2018 jan-mar; 7(1):83-95. DOI: http://dx.doi.org/10.17566/ciads.v7i1.431

Silva LS, Martins P, Guimarães S, Marcelo T, Miranda AAM. Terapeutas familiares e a dinâmica de práticas terapêuticas diversas. Anais 12º congresso Brasileiro de Medicina Familiar e comunidade, Belém, PA. 29/maio/2015. 12: 984. Available from https://www.cmfc.org.br/brasileiro/article/view/1053/1045

Neitzke DV, Schwartz E, Zillmer JGV, Lise F. Perspectivas da pessoa em diálise peritoneal em relação ao processo de adoecimento. Rev Par Enferm. 2018; 1(1): 27-36.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.