PERCEPÇÃO DA GESTANTE SOBRE O ATENDIMENTO RECEBIDO APÓS DESCENTRALIZAÇÃO DA ATENÇÃO PRÉ-NATAL

Viviane Cazetta, Angélica Romagnolo de Andrade Vieira, Marta Barbosa Silva

Resumo


Objetivo: Conhecer a percepção da gestante sobre o atendimento na atenção básica após a descentralização da assistência ao pré-natal. 

Método: Pesquisa descritiva e exploratória de abordagem qualitativa. Participaram 11 gestantes atendidas pelo Sistema Único de Saúde do município de Mandaguari, Paraná. Os dados foram coletados entre julho a agosto de 2017 a partir de entrevistas individuais, realizadas na sala da consulta de enferma­gem da Unidade Básica de Saúde, com a aplicação de um questionário semiestruturado. O áudio de cada entrevista foi gravado, transcrito e submetido à Análise de Conteúdo, modalidade temática. 

Resultados: A partir da análise dos dados emergiram as seguintes categorias: “Satisfação das gestantes frente o atendimento recebido pelos pro­fissionais da saúde no pré-natal” e “Nós-críticos do atendimento após o processo de descentralização”.

Considerações finais: observou-se que, segundo a percepção das gestantes, após o processo de descentralização as ações de atenção ao pré-natal ocorreram de maneira não padronizada entre as diferentes Unidades Básicas de Saúde, sobressaindo aspectos individuais de postura e qualificação profissional como interferentes na qualidade do cuidado.

Descritores: Percepção; Gestantes; Cuidado Pré-natal; Descentralização; Atenção primária à saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


Pinto LF, Giovanella L. Do Programa à Estratégia Saúde da Família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 Jun [citado 2018 Jul 29]; 23(6): 1903-1914. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000601903&lng=pt.

Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML, Barros F, et al. Saúde reprodutiva, materna, neonatal e infantil nos 30 anos do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 [citado 2018 Jul 29]; 23(6): 1915-1928. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000601915&lng=pt.

Brasil. Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. Informações de Saúde, Sistema de Informações sobre Mortalidade. Disponível em http://www.datasus.gov.br/catalogo/sim.html [Acessado em 20 de junho de 2017]

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Alberti GF, Schimith MD, Budó MLD, Neves GL, Rosso LF. Atributo do primeiro contato na atenção básica e práticas de cuidado: contribuições para a formação acadêmica do enfermeiro. Texto Contexto Enferm 2016;25(3). doi: 10.1590/0104-07072016004400014.

Santos AL, Radovanoic CAT, Marcon, S.S. Assistência pré-natal: satisfação e expectativas. Rev Rene, 2016; 11(N Esp):61-71

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico agost 2016. Brasília (DF). Disponível em: www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em 12 jul. 2016.

Bardin, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.

Lopes GVDO, Menezes IMO, Miranda AC, Araujo KL, Guimarães ELP. Acolhimento: quando o usuário bate à porta. Rev Bras Enferm 2014; 67:104-10.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. The health care model: concepts and challenges for primary health care in Brazil. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2015 June [cited 2018 Sep 25]; 20(6): 1869-1878. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413 81232015000601869&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014.

Miranda EF; Silva AMN; Mandú ENT. Abordagem de necessidades de saúde pelo enfermeiro na consulta pré-natal. Rev Fund Care Online. 2018 abr/jun; 10(2):524-533. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175- 5361.2018.v10i2.524-533

Alves DP, Oselame GB, Dutra DA, Tetzaff AAS, Oliveira EM. Caracterização de gestantes em atendimento pré-natal. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, 2015, 13(2):630- 638.

Skupien SV, Ravelli ANX, Acauan LV. Consulta puerperal de enfermagem: prevenção de complicações mamária. Cogitare enferm [Internet]. 2016; 21(2)1-6.

Correia SR; Silva JMO; Santos AAP; et al. Cuidados de enfermagem prestados à parturiente adolescente sob a luz da teoria de Wanda Horta. Rev Fund Care Online. 2017 jul/set; 9(3):857-866. DOI: http://dx.doi. org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.857-866.

Garuzi M, Achitti MCO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS. Acolhimento na Estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Panam Salud Pública 2014; 35:144-9.

Correa MS, Feliciano KV, Pedrosa EN, Souza AI. Women's perception concerning health care in the post-partum period: a meta-synthesis. Open J Obstet Gynecol 2014; 4:416-26. » http://dx.doi.org/10.4236/ojog.2014.47062

Avellar SA, Supplee LH. Effectiveness of Home Visiting in Improving Child Health and Reducing Child Maltreatment. Pediatrics. 2013; 132: 90-9. doi: 10.1542/peds.2013-1021GPMID:24187128.

Ichikawa K, Fujiwara T, Nakayama T. Eficácia das visitas domiciliares na gravidez como uma medida de saúde pública para melhorar os resultados de nascimento. Matsuo K, ed. PLoS ONE. 2015; 10(9):e0137307. doi:10.1371/journal.pone.0137307.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS.1st ed. Humanização do parto e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2014

Ceron MI, Barbieri A, Fonseca LM, Fedosse E. Prenatal care in the perception of postpartum women from different health services. Rev CEFAC [Internet]. 2013 [cited 2017 Jan 20];15(3):653-62. Avaliable from: http://www.scielo.br/pdf/rcefac/v15n3/184- 11.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.