GRUPO OPERATIVO: ESTRATÉGIA DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO NUTRICIONAL EM DIABETES

Lydiane Bragunci Bedeschi, Raíza Silveira Girundi, Raquel de Deus Mendonça, Luana Caroline Santos, Aline Cristine Souza Lopes

Resumo


Objetivo: Analisar grupos operativos como estratégia na aprendizagem sobre Diabetes mellitus e sua relação com a alimentação em Serviço de Promoção da Saúde.

Método: Trata-se de uma intervenção não controlada realizada por meio da técnica de grupo operativo, efetivada em quatro encontros com duração de 60 minutos. A coleta de dados abrangeu aplicação de questionários estruturados antes e após cada encontro com perguntas relativas aos temas abordados e observação.

Resultados: O número de participantes oscilou de 130 a 167 usuários. No 2º e 3º encontros observou-se aumento no conhecimento sobre a fisiopatologia da doença, sinais e sintomas e ­­­alimentação, como fracionamento de refeições (p=0,039) e consumo de raízes e tubérculos (p<0,001). Ademais, 57,5% (n=50) referiram, após os encontros, retirar a gordura aparente das carnes; 47,1% (n=41) preparar o frango sem pele; 93,1% (n=81) elevação da ingestão de alimentos ricos em fibras; 83,9% (n=73) redução na ingestão de óleos e 72,4% (n=63) de açúcares, além do aumento do número de refeições/dia. Conclusão: A realização dos encontros foi capaz de proporcionar aquisição de conhecimentos, além de contribuir para mudanças de hábitos alimentares.

Descritores: Diabetes mellitus; Alimentação; Educação alimentar e nutricional; Serviços de saúde; Atenção primária à saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira, JEP, Montenegro Junior RM, Vencio S (organizadores). Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Editora Clannad; 2017.

World Health Organization. Global Health Estimates 2016: Deaths by Cause, Age, Sex, by Country and by Region, 2000-2016. Geneva, World Health Organization; 2018.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Custos do tratamento das doenças relacionadas à obesidade no Sistema Público de Saúde. São Paulo, 2018.

American Diabetes Association. Standard of medical care in diabetes – 2011 (Position Statement). Diabetes Care. 2011; 34(1):62-9.

Iser BPM, Stopa SR, Chueiri OS, Szwarcwald CL, Malta DC, Monteiro HOC, et al. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde. 2015; 24(2):305-314.

Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília, 2011. 148p.

Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Documento de Diretrizes para o Cuidados das Pessoas com Doenças Crônicas nas Redes de Atenção Primária à Saúde e nas Linhas de Cuidados Prioritárias. Brasília, 2012. 34p.

Brasil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de

Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de Referência de Educação Alimentar e Nutricional para as Políticas Públicas. Brasília, 2012. 68p.

Lopes ACS, Ferreira AD, Mendonça RD, Dias MAS, Rodrigues RCLC, Santos LC. Estratégia de Promoção à Saúde: Programa Academia da Cidade de Belo Horizonte. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016; 21(4): 379-384.

Afonso MLM. Oficinas em dinâmicas em grupo: um método de intervenção psicossocial. In: Afonso MLM. Oficinas em dinâmicas em grupo: um método de intervenção psicossocial. 3ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2006. Cap.1.

Pichon-Rivière E. O processo grupal. 6ºed. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Brasil. Portaria nº 2.681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). In: Saúde Md, editor. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2008. 210p.

Costa BVL, Mendonça RD, Santos LC, Peixoto SV, Alves M, Lopes ACS. Academia da Cidade: um serviço de promoção da saúde na rede assistencial do Sistema Único de Saúde. Ciênc saúde coletiva, 2013;18(1):95-102.

Machado CH, Carmo AS, Horta PM, Lopes ACS, Santos LC. Efetividade de uma

intervenção nutricional associada à prática de atividade física. Caderno de Saúde Coletiva. 2013; 21(2):148-53.

Sociedade Brasileira de Diabetes - SBD. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, São Paulo. 2009, 332p.

Vieira GLC. Avaliação da educação em grupos operativos com usuários diabéticos tipo 2 em Unidades Básicas de Saúde – Belo Horizonte – MG. 2011 [mestrado]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Menezes KKP, Avelino PR. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cad. Saúde Colet. 2016; 24(1):124-130.

Maia MA, Reis IA, Torres HC. Associação do tempo de contato no programa educativo em diabetes mellitus no conhecimento e habilidades de autocuidado. Rev. esc. enferm. USP. 2016;50(1):59-65.

Molz P, Pereira CS, Gassen TL, Prá D, Franke SIR. Relação do consumo alimentar de fibras e da carga glicêmica sobre marcadores glicêmicos, antropométricos e dietéticos em pacientes pré-diabéticos. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção. 2015; 5(3)131-135.

Imamura F, Micha R, Wu JH, Oliveira Otto MC, Otite FO, Abioye AI, Mozaffarian D. Effects of saturated fat, Polyunsaturated Fat, Monounsaturated Fat, and Carbohydrate on Glucose-Insulin Homeostasis: A Systematic Review and Meta-analysis of Randomised Controlled Feeding Trials. PLos Med. 2016; 13(7); e1002087.

Bell JA, Kivimaki M, Hamer M. Metabolically healthy obesity and risk of incident type 2 diabetes: a meta-analysis of prospective cohort studies. Obes Rev. 2014; 15(6):504-515.

Torres HC, Pace AE, Chaves FF, Velasquez-Melendez G, Reis IA. Avaliação dos efeitos de um programa educativo em diabetes: ensaio clínico randomizado. Rev. Saúde Pública, 52:8.

Macedo MMLopes, Cortez DN, Santos JC, Reis IA, Torres HC. Adesão e empoderamento de usuários com diabetes mellitus para práticas de autocuidado: ensaio clínico randomizado. Rev. esc. enferm. USP. 2017; 51: e03278.

Silva CP, Carmo AS, Horta PM, Santos LC. Intervenção nutricional pautada na estratégia de oficinas em um serviço de promoção da saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev. Nutrição. 2013; 26(6): 647-58.

Bastos ABBI. A técnica de grupos operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo in Formação, 2010; 14:160-70.

Borba Anna Karla de Oliveira Tito, Marques Ana Paula de Oliveira, Ramos Vânia Pinheiro, Leal Márcia Carrera Campos, Arruda Ilma Kruze Grande de, Ramos Roberta Souza Pereira da Silva. Fatores associados à adesão terapêutica em idosos diabéticos assistidos na atenção primária de saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2018; 23(3): 953-96.

Assunção CS, Fonseca AP, Silveira MF, Caldeira AP, Pinho L. Conhecimento e atitude de pacientes com diabetes melitus da Atenção Primária à Saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2017; 21(4):1-7.

Brasil Ministério da Saúde. VIGITEL Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. 152p.

Szwarcwald CL, Malta DC, Pereira CA, Vieira MLFP, Conde WL, Souza Junior PRB, et al. Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil: concepação e metodologia de aplicação. Ciênc, saúde coletiva. 2014; 19(2):333-342.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.